sábado, 3 de janeiro de 2009

(des)concordância literal

Estive pensando sobre as tais passarelas e vitrines que são expostas por aí e a posição mitológica que estes aparatos da moda ocupam. O escritor Roland Barthes diz com muita propriedade em seu livro Mitologias, que ao contrário do que pensa o senso comum, o mito não é criado a partir de um sistema intuitivo, mas de um sistema semiológico dotado de signos e valores. Penso eu, que a indumentária e o ato de vestir também envolve um exercício de concordância dos signos, de maneira que se constitua assim, uma linguagem. Portanto, um look está para uma frase, para um texto, assim como as peças e acessórios estão para as palavras, verbos, adjetivos, etc. Dessa forma, nos atentamos às múltiplas regras do discurso formal, tais como concordâncias e acentuações. Algumas vezes, como atualmente, ficamos ainda à mercê das mudanças desses formalismos, ou mesmo da correção de um outro ser superior, cuja função é corrigir, baseados numa gramática maior, pouco interessada no corriqueiro, na linguagem (tão) falada. Assim, a escolha do errado pode não ser uma escolha de fato, mas a possibilidade de enriquecimento do discurso pode estar baseado numa combinação, um tanto desviada.


Será que estes dois estilosos , new rave style, (des) concordaram tantos superlativos propositadamente? Ou seria uma espécie de
brainstorm?




E para uma primeira-dama da França como Carla Bruni? A formalismo da linguagem é indispensável e agregar ao texto um pouco do estilo charmoso da escrita de muitos franceses, entendendo a escrita como criação de discurso, independente da linguagem.



Enfim, temos acesso às múltiplas linguagens e sabemos que estar dentro da regra é uma questão de escolha. O que não podemos nunca deixar de lembrar é que carregamos junto ao nosso corpo, um discurso, que pode ser manifesto, poesia, receita, legenda, literatura, brainstorm, fotografia, gravura, ilustração, pintura, caricatura, periódicos, grafite e tudo que for linguagem e/ou expressão.

Flávia Virgínia

4 comentários:

Passarelas e Vitrines Urbanas disse...

Infelizmente o blogspot altera descontroladamente a fonte!

rfelipe disse...

Viva a bricolagem!

Geraldo disse...

dá pra imaginar então algum guimarães rosa da moda?

Taís Oliveira disse...

ops, quem comentou ai em cima fui eu!